PERFORMANCE

Brado [2018]

Foto/Photo: Daisy Serena

Anestesiar a crueldade, o sofrimento, a dor que assola a cada vida negra que se vai vítima da violência, da injustiça e do racismo é com certeza um desejo constante. Mas ao mesmo tempo é necessário não deixar que estes fatos não caiam no esquecimento, não deixar que essas vidas sejam enterradas fisicamente e também no tempo, tornando-se apenas mais um número estatístico. Assim, a artista enuncia seus nomes para que não sejam somente apagados. Declara suas vidas e suas mortes para dar significado à essa memória e torna-la presente e simbolicamente vivente.

Na performance “Brado”, ao som de batidas do coração e tiros, a artista caminha e enuncia repetidamente o nome de diversas pessoas vítimas da violência policial e racial no Brasil, ao mesmo tempo em que carrega e distribui 111 rosas. A ação é realizada continuamente por um determinado período de tempo.

Yell [2018]

Anesthetize the cruelty, the suffering, the pain that desolates every black life that is victim of violence, injustice and racism is certainly a constant desire. But at the same time it is necessary not to let these facts fall into oblivion, not let those lives be buried physically and also in time, becoming just another statistical number. Thus, the artist states those names so they are not just deleted. She declares their lives and their deaths to give meaning to this memory and makes it present and symbolically alive.

In the performance “Yell”, to the sound of heart beats and shots, the artist walks and repeatedly enunciates the name of several people victims of the police and racial violence in Brazil, at the same time that she carries and distributes 111 roses. The action is performed continuously for a certain period of time.